PESQUISE

Notícias e Artigos


Riscos e benefícios da prática de esportes na infância e adolescência

Riscos e benefícios da prática de esportes na infância e adolescência

O esporte é uma das manifestações sociais mais importantes do mundo. Com a proximidade das Olimpíadas no Brasil, houve um aumento nas práticas esportivas recreativas e competitivas entre crianças e adolescentes. Esse estímulo é muito positivo.



Recente pesquisa realizada pela Saúde Pública de Niterói (RJ) revelou que 90 a 95% dos adolescentes são sedentários. A grande maioria das crianças e adolescentes substitui as atividades físicas pelo computador, videogame ou TV; somado à falta de estímulo às práticas esportivas pelas escolas e familiares. Um estudo realizado nos Estados Unidos demonstrou que o aumento do incentivo à prática esportiva diminuiu o uso de drogas e a gravidez na adolescência.

Sabemos dos benefícios das atividades esportivas em promover a saúde e bem estar, melhorando a flexibilidade, equilíbrio, ganho de massa óssea, força muscular, diminuição do peso, diminuição do estresse, tolerância. Desenvolvem também a autodisciplina, a cooperação e o trabalho em equipe. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o ideal é praticar atividades físicas, em qualquer faixa etária, 7 vezes na semana, durante 1 hora.

A OMS recomenda:

- pré-escolares (2 a 5 anos) - atividades estruturadas e não estruturadas, divertidas, 7 vezes na semana, por 120 minutos/dia.

- escolares – atividades moderadas e alta intensidade, que proporcione agilidade, equilíbrio, coordenação e diversão, 7 vezes na semana por 60 minutos/dia.

Qual melhor esporte para crianças e adolescentes?

- 0 a 2 anos – piscina – estimula coordenação motora. Iniciar a partir dos 9 meses.

- 2 a 5 anos – natação, dança, capoeira, lutas, ginástica artística e atividades em grupo. Sem competição.

- 6 a 10 anos – diversificar as modalidades e mais coletivas (futebol, vôlei, basquete, etc.), no mínimo 3 vezes na semana por 1 hora. Sem competição.

- 11 a 13 anos – treinamento mais esportivo e competitivo.

- acima de 13 anos – dança, capoeira, pilates, trilhas, skate, entre outros.

Nessa fase, em decorrência da "crise da adolescência", geralmente abandonam as

atividades físicas e perdem a coordenação motora; entretanto há uma cobrança

individual, dos pais e social do desempenho, levando a um excesso de treino com

consequentes lesões e estresses. São contra indicados para menores de 16 anos o boxe, levantamento de peso olímpico e fisiculturismo.

Existe uma questão frequente entre os pais e os adolescentes: "Quando começar a academia de ginástica? Ela é contra indicada para menores de 13 anos. Acima dessa idade, é permitido exercício aeróbico e moderado trabalho físico, com alongamento e fortalecimento. As adolescentes buscam perder peso e os adolescentes querem aumentar a massa muscular e ganhar força muscular (mas isso só vai ocorrer acima de 16 – 17 anos).

Alerta! Em pesquisa recente observou-se que 30% dos suplementos são contaminados

com anabolizantes que são sugeridos e orientados pelos instrutores das academias. Esses produtos devem ser utilizados somente com indicação e orientação de um profissional da área da saúde (sempre sob supervisão).

Antes de iniciar atividades físicas ou esportivas, as crianças e os adolescentes devem ser avaliados por um pediatra ou hebiatra e se necessário também por um cardiologista, especialmente se na família tiver antecedentes de cardiopatias, a fim de prevenir a "morte súbita" que, eventualmente, acomete alguns atletas.

Dra. Maria Cecília Nigro Batistela
Pediatra, Hebiatra e Sexóloga

Mais informações para a imprensa:

Rone Lança

Intermídia Comunicação

TEL: (17) 3353-2083

Cel: (17) 9114-9960

rone@intermidiariopreto.com.br

Veja mais Notícias